Notícias

Outubro rosa: Atleta mineira comemorou 10 anos de cura de câncer de mama na abertura da XIX ONJT

Publicado em:

Outubro rosa: Atleta mineira comemorou 10 anos de cura de câncer de mama na abertura da XIX ONJT

O dia 21 de maio de 2022, dia da abertura da XIX Olimpíada Nacional da Justiça do Trabalho (ONJT), em Blumenau-SC, marcou não só o retorno do evento olímpico que esteve suspenso por dois anos devido à pandemia da covid-19. Para a mineira Ângela Maria, oficial de justiça aposentada do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, a emoção foi dupla porque na mesma data, há 10 anos, ela recebeu a notícia de que foi curada de câncer de mama – o tipo da doença que mais acomete mulheres em todo o mundo.

O início de 2012 foi de choque para Ângela. Ao fazer exames rotineiros, como o de imagem nas mamas, tudo aparentemente estava normal, até que um derrame mamário surgiu. A suspeita em relação à doença começou e o exame de laboratório acusou o ocorrido como ectasia de duto. Após a biópsia, o que Ângela mais temia aconteceu: foi confirmado o diagnóstico de câncer de mama.

De acordo com o Ministério da Saúde, em cartilha disponível no site oficial, além da saída espontânea de líquido dos mamilos, outros sintomas podem caracterizar a doença. São eles: caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja e alterações no bico do peito (mamilo). Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

Para Ângela, a notícia foi recebida com muito medo, tristeza e até decepção. “Foi um período de muita dor, sofrimento físico e abalo emocional. Minha maior dificuldade foram as dúvidas e incertezas com relação ao tratamento e à cura. Difícil também adiar planos e o receio de recidivas. Tive muita preocupação com meus filhos, então com 10 anos de idade. Mas imediatamente me armei de capa e espada e parti para a luta”, contou.

Naquele momento, todos os projetos dela precisaram ser suspensos, pois a prioridade era a saúde e a vida. Ter descoberto o diagnóstico cedo e enfrentado rapidamente o tratamento ajudou muito na evolução da cura, por isso ela não precisou passar por quimioterapia ou radiologia. Poucos meses depois, em 21 de maio de 2012, Ângela se submeteu à mastectomia esquerda total, para a retirada do câncer, e junto implantou a prótese. Foi então que a dor deu lugar à alegria: ela estava curada.

Ângela à esquerda comemorando o segundo lugar em uma prova de atletismo.

“Passada essa fase, retornei a minha rotina sem nenhuma alteração significativa, inclusive voltei a praticar esporte. Desde criança já fazia longas caminhadas com meu pai que, como bom mineiro, me chamava para `ir ali, na casa do compadre` e o ali era subir e descer montanha. É minha atividade física predileta: andar, andar e andar. No dia 21 de maio de 2022, exatos 10 anos após minha cirurgia, lá estava eu em Blumenau, para a abertura dos jogos da ONJT”, disse.

A ONJT é um dos eventos preferidos de Ângela. Participante fiel, na última edição ela participou de atletismo, natação e ficou na reserva do handebol. Segundo ela, na fase difícil em que passou, a prática esportiva antes de ter a doença foi fundamental para tornar o organismo mais resistente e preparado para a recuperação.

Para as mulheres, em alusão ao outubro rosa, mês de prevenção ao câncer de mama, ela deixou um recado: “O importante para todas nós, mulheres, é acreditar no tratamento, não perder a fé e principalmente adotar todas as medidas preventivas. É cedo que começa o dia e é cedo que o tratamento tem mais chance de sucesso”, finalizou.

Clique aqui e saiba como se prevenir do câncer de mama.

  • Compartilhar:

Voltar