Notícias

Retratos da Olimpíada: TRT21-RN domina competição de pesca com estreia da equipe feminina

Publicado em:

Retratos da Olimpíada: TRT21-RN domina competição de pesca com estreia da equipe feminina

O que começou como uma simples curiosidade rapidamente se transformou em uma paixão ardente na vida da atleta do TRT21-RN, Karla Monteiro, que se viu envolvida em uma jornada na modalidade de pesca. Durante uma conversa informal com um colega de delegação, o experiente pescador Alexandre Érico, ela descobriu que as mulheres teriam mais espaço no esporte na 20ª Olimpíada, que aconteceu em João Pessoa, com a possibilidade de formação de equipes exclusivamente femininas, em contraste com as competições coletivas mistas das edições anteriores.

Integrante de um Regional conhecido como imbatível na pesca masculina, Karla uniu o desejo de vencer à curiosidade de pescar e aceitou o convite para participar da equipe. “Sempre tive vontade de aprender, mas nunca fui atrás”, explicou Karla. “Quando Gilson, nosso chefe de delegação e um excelente pescador, contactado por Alexandre, me convidou para aprender, aceitei de imediato. Ele se propôs a me ensinar e, desde então, nos encontrávamos aos finais de semana para isso. Simplesmente me apaixonei pelo esporte.”

Como iniciante, Karla surpreendeu a todos na competição. Conquistou o primeiro lugar na categoria individual com um número impressionante de 27 peixes. Além disso, ao lado das atletas Maria Auxiliadora Barros e Susane Sodré, ela também garantiu o primeiro lugar na categoria geral feminina, superando outras três delegações: TRT3-MG, TRT13-PB e TRT16-MA.

A experiência gratificante e o desempenho excepcional tornaram a pesca o novo esporte favorito de Karla, que anteriormente competia apenas na natação. “Já me filiei a um clube, participei de outra competição em João Pessoa e, sempre que possível, pelo menos a cada 15 dias, vou pescar”, revelou. O motivo de sua dedicação, segundo ela, é a sensação de paz que a pesca proporciona.

“Na pesca, é apenas você e o mar. Os peixes são uma consequência, mas o simples ato de arremessar a linha e puxar já me faz sentir mais leve, mesmo que não capture nenhum peixe. E quando consigo, é uma alegria imensa levar para casa, preparar e saborear. Vivemos em um constante corre-corre, sem tempo para nada, e quando estou pescando, sinto apenas eu, Deus e o mar. Posso passar horas ali sem me preocupar com o tempo”, explicou Karla, refletindo sobre sua conexão com a modalidade.

Conexão essa que faz parte da vida do primeiro incentivador dela, Alexandre Érico, também atleta do TRT21-RN. Ele, que plantou a semente em Karla, teve a sorte de conhecer o esporte ainda criança, por influência paterna. Ao acompanhar o pai nas pescarias, ele acumulou experiências que se intensificaram nas Olimpíadas, em diferentes locais de pesca nas regiões do Brasil.

“Os maiores desafios do esporte são relacionados ao clima (vento, sol, chuva, frio, movimento das marés, tipo de pesqueiro de água doce, etc). Quando a Olimpíada aconteceu em Brasília, por exemplo, pescamos no Lago Paranoá. A pescaria foi muito improdutiva. Havia chovido muito na cidade e a água estava super gelada. Os peixes estavam pouco ativos. […] Em Minas Gerais, pescamos em um pesque e solte. Também um clima muito frio com peixes pouco ativos, mas na última etapa da prova observei um pequeno veio de água minando da terra e correndo para dentro no lago. Pensei: ‘ali tem água nova, oxigenada e o peixe vai se aproximar dela’. Passei a arremessar a linha nas proximidades. Foi batata. Capturei várias peças naquele lugar. São detalhes que a experiência do pescador fala mais alto”, compartilhou.

Sobre a edição de João Pessoa, Alexandre acredita que o sucesso no desempenho do TRT21-RN foi a facilidade com a pescaria na costa do mar, por ser mais praticada por eles. Já em relação à Manaus, o desafio será outro. “Precisaremos estudar bem as características da pesca da região para manter nossa performance”, revelou.

O TRT21-RN teve um excelente desempenho no esporte. Na equipe masculina, o imbatível Gilson Lacerda, mentor de Karla, pescou 83 peixes, permanecendo em primeiro lugar na competição individual masculina por anos consecutivos. José Marcelo de Lira ficou em segundo lugar com 56 peixes e Alexandre Érico em terceiro com 45 peixes. Juntos, eles conquistaram o ouro na categoria geral masculina.

Na feminina, além de Karla com 27 peixes, o segundo lugar ficou para Maria Auxiliadora com 15 peixes e o terceiro lugar para Susane Sodré com 14 peixes. Juntas, elas também conquistaram o ouro na categoria geral feminina.

Equipe feminina e masculina do TRT21-RN na Olimpíada em João Pessoa.

  • Compartilhar:

Voltar